Saiba Como Foi o Primeiro Dia Do International no Brasil!

O International da América latina de 2018 está sendo sediado no Brasil e começou ontem (27/04) se estendendo até domingo (29/04). O evento está sendo realizado na cidade de São Paulo e todos os dados complementares você pode encontrar nessa matéria.
A Pokémon News Center pôde estar presente no primeiro dia do evento e fizemos algumas entrevistas com jogadores brasileiros que você confere a seguir.

Sid Guimarães – Equipe Plus Power
PNC: como está indo o campeonato até agora (após 7ª rodada de 9)?
Sid: Até essa última rodada eu estava 4-1-1, totalmente vivo no torneio. Peguei agora o Jose Marrero, que é um jogador famoso dos Estados Unidos. Foi uma partida de Zoroark/Lycanroc x Zoroark/Lucario, bem disputada, até um pouquinho talvez a meu favor, mas infelizmente não deu certo.
PNC: Você disse que o deck que você está usando aqui é o Zoroark/Lucario. Como você chegou a decisão final de que esse seria seu deck para o campeonato? E você colocou alguma surpresa no deck ou trouxe uma decklist mais básica?
Sid: Eu estava querendo jogar de Magnezone/Duskmane, que é o meu deck favorito, só que ele é um deck muito quebrável. Então eu passei a buscar um deck consistente e mais forte e o Zoroark/Lucario tem tudo isso. É bem consistente, bem agressivo, consegue dar OHKO (one hit ko, derruba o adversário com um golpe). Aí eu troquei ontem a noite, fiz meus primeiros testes no hotel e deu certo. E em relação a lista, a maior surpresa é que eu coloquei um Oranguru para não perder nem para deck de Hoopa, nem pra deck de Sylveon.

   

Luiza Back – Mãe Pokémon
PNC: Luiza, qual deck você optou por usar no campeonato?
Luiza: Eu optei por usar o Tapu Bulu/Vikavolt.
PNC: E por que você optou por essa estratégia aqui?
Luiza: Eu estava treinando para esse torneio com 3 decks: Duskmane/Magnezone, Espeon/Garbodor e o Bulu/Vikavolt foi o que me apresentou melhores resultados no treino, então optei por ele.
PNC: Você modificou algo no deck, colocou alguma surpresa, algo pra um counter? Ou optou pela opção mais básica do Vikabulu?
Luiza: O que tem no meu deck que é mais diferente e surpreendeu alguns adversários foi o Tapu Koko GX. Pois quando você baixa ele no banco, você pode trocar energia de raio e ele passa a ser ativo e o ataque GX dele bate 50x a energia ligada no oponente. O que me deu a vitória em cima de um deck de Gardevoir e de um deck de Zoroark/Golisopod. E amanhã meu filho vai jogar de Tapu Bulu na Junior.
PNC: Ainda tem chances de conseguir vaga no segundo dia?
Luiza: Não, não tem mais chance de day two pra mim, infelizmente. Claro que a gente joga pensando em ganhar, ganhar é bom. Mas eu jogo mais pela diversão, pra acompanhar meu filho. Gostaria de ganhar CP para poder ir para o mundial com ele. Mas eu jogo pela diversão e porque eu gosto do jogo mesmo.
PNC: E você e seu filho já conquistaram CP o suficiente para se classificar para o mundial?
Luiza: O meu filho é o 13º do ranking da América latina, ele já superou a pontuação do mundial. Eu precisaria ainda de 180 CP’s. Seria a chance se eu conseguisse hoje um top 64, mais um resultado no league cup amanhã e mais uns cups pra frente.
PNC: Como você começou no Pokémon TCG?
Luiza: Comecei a jogar por causa do meu filho. E eu me apaixonei pelo jogo mais do que ele. Quando eu li, eu vi que não era um jogo para crianças, mas sim para adultos. Quando eu comecei lá em Blumenau, Santa Catarina só tinha eu de mulher jogando, hoje somos duas. E aqui no torneio todo, eu creio que não tenha 20 jogadoras femininas num universo de 595 players. O TCG ainda tem poucas mulheres. Elas se sentem com receio, constrangidas, mas eu sempre falo “Vem jogar com a gente!”. Eu fiz muitos amigos, muita gente me chama “Oh, mãe! Oh, mãe!”. O jogo faz bem pra memória, pra estratégia, pra amizade. Eu amo o jogo!!!

      

Gustavo Wada – Campeão mundial de TCG
PNC:
Como está sendo o campeonato até agora pra vc?
Wada: Até agora está sendo muito bom! Estou 6-1, acho que acertei o meta, estou gostando bastante.
PNC: Qual foi a sua estratégia? Qual deck você trouxe? O modo que você montou teve algo de diferente do usual do deck?
Wada: Eu estou jogando de Zoroark/Garbodor. Escolhi esse deck porque eu acho muito bom, ele cobre muito o meta. Tem uma estratégia de ligar o Bursting Balloon no Garbodor para travar só as habilidades do oponente no turno dele e no seu turno você poder ter suas habilidades, que é muito boa. O deck é versátil, tem muita opção.
PNC: Ele, então, foi montado num modo mais anti-meta?
Wada: Sim. O deck foi feito pra ganhar de Buzzwole, de decks mais secundários, tipo Bulu, Duskmane, Volcanion. Contra Zoroark/Lycanroc eu também tenho uma partida boa. Só contra Golisopod que a partida é ruim. Ele se cura muito, consegue responder muito fácil todas as minhas jogadas.
PNC: Agora ainda restam duas rodadas e como está sua expectativa?
Wada: A expectativa está grande. Preciso apenas ganhar uma partida só de duas. Mesmo que eu perca uma agora, na outra eu compenso. O ideal é ganhar agora e fazer 8-1, né? Já passar bem para o dia 2. Mas to confiante, acho que vai dar bom.

      

Jhonattan Nascimento (Krakens), Matheus e Thales Tadashi (Deck Check) 
PNC: Como está o torneio para vocês já quase no final do primeiro dia?
Jhonattan: Pra mim está tranquilo, assim… o score não é dos melhores. Eu estou de Buzzwole, já peguei Espeon/Garbodor e consegui empate. Contra Buzzwole/Garbodor também arranquei um empate em uma match horrível. E o torneio está bacana e dependendo muito da sorte e emparceiramento.
Matheus: Esse é meu primeiro campeonato grande, só joguei dois challenges, então pra mim é tudo novo. Estou jogando de Espeon/Garbodor. Não estou negativo, mas também não estou positivo como queria, mas estou conseguindo levar legal.
Thales: Pra mim está uma desgraça só! (Risos) – To jogando de Buzzwole/Lycanroc. O deck não rodou, não acertei nenhum elixir nos jogos. Teve um plus de pegar umas pedreiras, pegar uns gringos bons. E tá difícil, tá difícil. Jogando pelo Top 128.
PNC: Agora que já acabou a sétima rodada, como está o score de vez até o momento?
Jhonattan: Pra mim ainda dá. Se eu ganhar tudo ainda rola esperança de top 32. Ou até um top 64 e no pior dos casos até um top 128. Porque assim já me garantiria o resto dos pontos que falta pro mundial. Mas estamos ai ainda. Quem sabe não ganho tudo, pego top 32 e levo uns dólarezinhos pra casa?
Matheus: Não to indo como eu queria. Ganhei duas, perdi uma e empatei quatro. Não imaginei que eu empataria tanto, mas fico feliz que não perdi tanto também. Porque é melhor pontuar um do que não pontuar nada.
Thales: Não vou nem comentar do meu score que é feio. (Muitos outros risos) – Mas a vaga do mundial ta garantida pelo menos. Agora só pensar no mundial que não jogo mais nada esse ano.
PNC: Quanto ao deck de vocês. São os modelos básicos ou colocaram alguma mudança? Alguma surpresa pros adversários?
Jhonattan: O meu tá bem básico, tirando que eu dei foco nos counters do Mew EX. Então é legal um Oricorio e um Mew pra garantir que o counter vai vir.
Matheus: Eu peguei o Espeon padrão, coisas normais.
Thales: Na minha decklist o que tem de diferente é que eu rodo duas cópias de multisubstituição para rodar as energias. O resto é padrão.

Ricardo Toddy
PNC:
Como está sendo o torneio pra você até agora e qual deck você escolheu?
Toddy: Eu escolhi para o IC Zoroark/Lucario, que acredito ser um deck que roda muito bem. E quanto ao IC eu to curtindo muito, o evento é fantástico. Desde o começo é uma emoção única. Parece que você está no mundial. Você ver grandes lendas do seu lado é impressionante.
PNC: Como está seu score até o momento após o final dessa sétima rodada? E o que vc acha que ainda pode rolar?
Toddy: No momento eu estou com quatro vitórias, acabei de ter a segunda derrota e já tive um empate também. E o que eu espero é Bulu! (risos) Bulu pra cá, Bulu pra lá! Mas espero que dê bom. Que eu encontre partidas favoráveis pra mim.
PNC: Você chegou a preparar alguma surpresa para os oponentes ou veio com uma lista mais básica?
Toddy: Eu vim com uma mais básica mesmo. Até pensei em colocar alguma coisa, mas eu não tive muito tempo para treinar, então decidi jogar no seguro.

   

As entrevistas foram realizadas antes do final das nove rodadas do TCG enquanto alguns jogadores ainda tinham chance de conseguir alcançar o top 32 e se classificar para o segundo dia da competição. Mas infelizmente nem todos conseguiram. Abaixo vai a lista dos 32 classificados na categoria Master de Pokémon TCG para o segundo dia.

  1. Fabien Pujol – França
  2. Francisco Osorio – Chile
  3. Matias Matricardi – Argentina
  4. Vinicius La Padula Lopes – Brasil
  5. Jimmy Pendarvis – Estados Unidos
  6. Pedro Eugenio Torres – Espanha
  7. Alexis Hormazabal – Chile
  8. Azul Garcia Griego – Estados Unidos
  9. Caleb Gedemer – Estados Unidos
  10. Hudson Matheus – Brasil
  11. Heddi Brahmi – França
  12. Dyego Rathje – Brasil
  13. Gustavo Wada – Brasil
  14. Brent Tonisson – Austrália
  15. Raphael Branco – Brasil
  16. Robin Schulz – Alemanha
  17. Jonathan Guglielmo – Argentina
  18. Sebastian Lugo – Argentina
  19. Ian Robb – Estados Unidos
  20. Breno Glaessner – Brasil
  21. Jaime Martinez – Chile
  22. Pedro Medina – Brasil
  23. Gabriel Pino Semedo – Brasil
  24. Pedro Dossi – Brasil
  25. Xander Pero – Estados Unidos
  26. Wallysson Lima do Couto – Brasil
  27. Alexandre Braga – Brasil
  28. Joe Ruettiger – Estados Unidos
  29. Tomas Just – República Tcheca
  30. Mauricio Molina – Chile
  31. Claudio Ferla – Brasil
  32. Michael Pramawat – Estados Unidos

O segundo dia do International já está rolando e logo mais você poderá acompanhar o resumo dele aqui na Pokémon News Center. Então nos siga nas nossas redes sociais para ficar atento quando sair mais novidades.

Other Articles